Coisas Legais » Das Amigas » Pais e Filhos

Saindo da Bolha

27.01.2015 Tatiana Porto

 

Era uma vez uma menina que adorava brincar de boneca. Tratava-as como filhas e gostava até de dar aulas pra elas. Aí ela foi crescendo, e o mundo foi exigindo que ela escolhesse um rótulo que a definisse. Tentou “jornalista”, “publicitária”, “administradora”, “marqueteira”, “concurseira”, mas nenhum desses títulos conseguiu resumir o que ela era de verdade (talvez devesse ter seguido o antigo instinto de dar aulas só que não mais para bonecas, seria pobre, mas quem sabe feliz). E durante essa busca pelo rótulo perfeito ela conheceu um príncipe, não esses de contos de fada, mas dos possíveis, cheio de defeitos, mas muito mais qualidades. Casou e começou a descobrir qual era o título que ela sempre quis. Quando os filhos chegaram ela teve a certeza de que sempre quis ser “Mãe”. E desde então ela vive em uma bolha.

Quando eu tinha 3 anos, saí do banho toda molhada e encharquei o carpete de casa. Claro que mereci uma bronca da minha mãe, pois ela teria que enxugar tudo, mas minha resposta pra ela foi: “Mãe, você precisa entender que essa é a hora de você passar por isso, pois vai chegar uma hora que eu vou ter que fazer a mesma coisa com meus filhos”. Ou seja, a única certeza que tive durante a vida é que eu seria mãe. Nunca planejei como aconteceria, mas até durante minha fase de solteira convicta sabia que teria que ter uma tática pra isso acontecer. E aconteceu do jeito mais tradicional possível – a diferença é que às vezes me sinto uma aberração por ter escolhido cuidar da casa, marido e filhos em pleno século XXI.

Apesar de parecer fácil, essa escolha implica que você more em uma bolha, ou um mundo à parte, que tem os horários malucos, assuntos monotemáticos, programas de tv mais monotemáticos ainda, cardápios pouco variados, dress code nada exigente, e onde as exigências são feitas por mini seres humanos dotados de poderosas cordas vocais. Enfim, um dia a dia muito diferente do mundo dito normal onde existem reuniões, happy hour, baladas, arte e cultura para adultos, gastronomia requintada, etc etc etc.

E daí que dia desses rolou um encontro das meninas que participam desse blog! E minha maior preocupação foi: mas o que eu vou conversar com elas?? – só uma delas tem filho também e era a única que eu já conhecia. Certeza que elas vão me achar doida se eu contar do último episódio da Peppa, aquela porca mal educada. Também não vou poder explicar minhas táticas avançadas de tirar manchas. Ou falar sobre um brinquedo legal que descobri pra ajudar na alfabetização. Bom, confesso que pensei em nem ir (Desculpe, meninas!). Mas ainda bem que eu fui!

Primeiro porque eu sobrevivi sem meus anexos filhos. Segundo que elas eram diferentes de mim claro, mas a conversa fluiu descompromissada, e elas demonstraram interesse pelo meu mundinho, e eu pelo mundo delas, do qual já fiz parte, do qual sinto saudades às vezes, e pro qual eu sei que posso voltar assim que eu souber que fiz todo o trabalho que pretendia dentro da minha bolha particular. Fiquei feliz por saber que existe vida fora da bolha, e por saber que minha bolha tem portas e janelas e que eu posso abri-las sempre que quiser. Foi como seu eu tivesse saído pra “tomar um ar”, e voltar com novas ideias, novas dicas de filmes, séries e livros, e com a promessa de ter que fazer isso mais vezes. A vidinha dentro da bolha é boa, mas sei que não vou morar nela pra sempre e é preciso manter o contato com o mundo lá fora. E sim Mãe, eu tinha razão viu! Chegou a minha hora de enxugar o chão molhado, e faço isso com o maior prazer porque assim como minha hora chegou rápido demais, ela também vai passar na mesma velocidade e quero aproveitar tudo o que tiver direito, de bom e de ruim, e de tudo o que é feito a vida.

 

Formada em Administração com ênfase em Marketing pela ESPM, hoje exerço uma profissão que sempre esteve dentro do meu coração: sou mãe em tempo integral de dois lindos pequeninos: João e Luiza. Com isso, também sou dona de casa, recreadora, professora, enfermeira, cozinheira, motorista, palhaça particular e administradora de um e-commerce de roupas e acessórios para bebês e crianças.